Minerva aumenta capital social para R$ 1,3 bilhão mediante emissão de 5.247 novas ações ordinárias
Redação
07.16.2021

O Conselho de Administração da Minerva aprovou a homologação do aumento do capital social dentro do limite do capital autorizado previsto no Artigo, em decorrência do exercício, por determinados titulares, de seus respectivos bônus de subscrição atribuídos como vantagem adicional aos subscritores de ações no âmbito do aumento de capital da Companhia aprovado em AGE da Companhia realizada em 15 de outubro de 2018 e homologado em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 20 de dezembro de 2018.

O comunicado foi feito pela empresa (BOV:BEEF3), nesta quinta-feira (15). Confira o documento na íntegra.

Tendo em vista tal aprovação, são comunicadas, a seguir, as informações relativas ao referido aumento de capital da Companhia, no formato previsto pelo Anexo 30-XXXII à Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009, conforme alterada.

O emissor deve divulgar ao mercado o valor do aumento e do novo capital social, e se o aumento será realizado mediante:

I – conversão de debêntures ou outros títulos de dívida em ações;

II – exercício de direito de subscrição ou de bônus de subscrição;

III – capitalização de lucros ou reservas; ou IV – subscrição de novas ações.

Conforme Reunião do Conselho de Administração realizada em 15 de julho de 2021, foi homologado o aumento do capital social da Companhia, independente de reforma estatutária e dentro do limite do capital autorizado, nos termos do Artigo 6º do Estatuto Social da Companhia, passando dos atuais $ 1.371.421.290,61, divididos em 549.634.220 ações ordinárias, nominativas, escriturais e sem valor nominal, para R$ 1.371.449.571,94 divididos em 549.639.467 ações ordinárias, nominativas, escriturais e sem valor nominal portanto, um aumento no valor de R$ 28.281,33, mediante a emissão 5.247 novas ações ordinárias, nominativas, escriturais e sem valor nominal, com preço de emissão de R$ 5,39 , nos termos do disposto no item 7.3.28.7 da ata de AGE 15.10.2018, por ação, fixado nos termos do artigo 170, § 1º, inciso III da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, conforme alterada em decorrência do exercício dos Bônus de Subscrição. Parágrafo único.

O emissor também deve explicar, pormenorizadamente, as razões do aumento e suas consequências jurídicas e econômicas e o aumento do capital social da Companhia ora homologado decorre do exercício dos Bônus de Subscrição.

Os Bônus de Subscrição foram emitidos como vantagem adicional aos subscritores do aumento de capital social da Companhia aprovado em Assembleia Geral Extraordinária da Companhia realizada em 15 de outubro de 2018 homologado em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 20 de dezembro de 2018 (“Aumento de Capital 2018”), com a finalidade de estimular a participação dos acionistas no Aumento de Capital 2018.

A empresa pretende divulgar os resultados do 2T21 no dia 03 de agosto

A Minerva Foods registrou lucro líquido de R$ 259,5 milhões no primeiro trimestre do ano, uma redução de 4,3% ante o mesmo período de 2020, contornando o impacto negativo da disparada do boi gordo no Brasil.

A receita líquida somou R$ 5,8 bilhões, uma expansão de 39,3% sobre o mesmo período do ano passado e de 1,8% na comparação com o quarto trimestre de 2020.

Na exportação, a receita cresceu 42%, para R$ 4,1 bilhões. A demanda aquecida, especialmente no Sudeste Asiático, beneficia os frigoríficos exportadores. Conforme o presidente da Minerva, Fernando Galletti de Queiroz, a queda da produção na Austrália ajudou – os abates no país, um importante concorrente no mercado internacional, estão no menor patamar em 36 anos, afirmou o empresário.

Operacionalmente, a Minerva mostrou a redução do peso relativo do Brasil para o negócio. Pela primeira vez, a Athena Foods – subsidiária que reúne os frigoríficos na Argentina, Uruguai, Paraguai e Colômbia – foi a principal divisão, respondendo por 50% da receita. A operação brasileira ficou com 44% e o restante vem da área de trading.

Fonte: ADVFN