Home  »    »  Minerva Foods pretende zerar saldo de emissão de carbono até 2035
Minerva Foods pretende zerar saldo de emissão de carbono até 2035

Minerva Foods pretende zerar saldo de emissão de carbono até 2035

16/04/2021

Compartilhar em:

Agência Estado – 15/04/2021

Por Julliana Martins

São Paulo, 15/04/2021 – A Minerva Foods anunciou nesta quinta-feira que pretende tornar as suas operações Carbono Neutro, ou seja, zerar o saldo de emissões de carbono, até 2035. O compromisso faz parte de uma nova estratégia de sustentabilidade assumida pela companhia, que prevê investir até R$ 1,5 bilhão em iniciativas que possam reduzir as emissões em toda a sua cadeia produtiva nos próximos anos. O prazo estabelecido pela empresa é 15 anos menor do que o previsto no Acordo de Paris.

Como parte da meta, a empresa se compromete a diminuir em 30% as suas emissões de gases do efeito estufa nos escopos 1 e 2 até 2030. Enquanto isso, vai manter o compromisso alcançado em 2020 de ter a sua matriz energética carbono neutro, com 100% da energia utilizada proveniente de fontes renováveis. Durante apresentação do plano, a empresa também informou que vai inserir 50% dos seus fornecedores de carne bovina no Novo programa de baixa emissão de carbono até 2030 e que pretende realizar ações como monitoramento do balanço de carbono das fazendas na América do Sul, apoio na restauração de vegetação nativa, treinamento e assistência técnica a produtores, investimento em tecnologia para aumentar a eficiência no tratamento de efluentes, além de parcerias que possam oferecer financiamentos para produtores que realizam práticas sustentáveis.

“A estratégia irá fortalecer a parceria com instituições de pesquisa, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); o Centro Internacional de Agricultura Tropical (CIAT/Colômbia); e o Instituto Nacional de Investigação Agropecuária (INIA/Uruguai)”, afirma a empresa. O diretor de Sustentabilidade da Minerva, Taciano Custódio, acrescenta: “Temos o entendimento de que a corrida para emissão líquida zero deve ser um esforço coletivo. Por isso, estamos envolvidos em parcerias e coalizões com o objetivo de abordar as mudanças climáticas e impulsionar a sustentabilidade do setor.”

Para isso, entretanto, uma das ações previstas pela empresa é eliminar o desmatamento ilegal na sua cadeia de abastecimento da America do Sul, a partir do monitoramento geográfico dos seus fornecedores. De acordo com Custódio, até o fim deste ano 100% dos fornecedores diretos do Paraguai serão monitorados geograficamente. Na Colômbia, esse controle deve ser alcançado até 2023, no Uruguai até 2025, e nos outros países do continente até 2030. No Brasil, a empresa é pioneira a ter um mapeamento georreferenciado de todos os seus fornecedores diretos na Amazônia, no Cerrado, no Pantanal e na Mata Atlântica.

Além disso, aqui no País a ideia é que o monitoramento da Amazônia seja potencializado e expandido para os fornecedores indiretos, ou seja, os que vendem gado para as propriedades das quais a Minerva adquire os animais. A perspectiva é de que isso ocorra até o fim deste ano, quando a empresa vai integrar ao sistema a ferramenta Visipec, desenvolvida pela Universidade de Wisconsin em parceria com a National Wildlife Federation (NWF). A tecnologia começou a ser testada no ano passado e os resultados preliminares apontaram conformidade de mais de 99% das fazendas indiretas de nível 1 que foram identificadas.

A Minerva Foods também afirmou que vai fornecer aos pecuaristas brasileiros até dezembro deste ano e aos de outros países até 2030 a mesma tecnologia geoespacial que utiliza, por meio de um aplicativo de verificação de fornecedores desenvolvido pela Niceplanet Geotecnologia. “A ideia é de que fornecedores da Minerva também consigam avaliar as suas compras e os riscos ambientais dessas operações”, afirma Custodio.

Contato: julliana.martins@estadao.com