Uso de energia solar nas propriedades rurais.
Bela Magrela
11.02.21

Energia renovável e limpa além de ajudar o meio ambiente, ajuda o seu bolso.

De acordo com o Ministério de Minas e Energia, fontes de energia renováveis representam 83% da matriz elétrica brasileira.

As usinas hidrelétricas, como a de Itaipu, lideram o ranking de produção e respondem por cerca de 70% de toda a energia produzida no país, seguida pela energia eólica, obtida a partir do vento, por meio de aerogeradores instalados em torres, com participação de 9,3% na produção nacional de energia.

A biomassa e o biogás dividem o terceiro lugar com participação de 8,9%, seguidos pela energia solar centralizada, composta por projetos de usinas de grande porte, que corresponde, atualmente a apenas 1,4% da energia produzida no país.

Ainda que a energia gerada por usinas hidrelétricas seja considerada uma fonte de energia limpa, por não estar associada à queima de combustíveis fósseis, esse tipo de geração de energia contribui com a emissão de metano e dióxido de carbono na atmosfera, reflexo da decomposição das árvores e plantas que ainda ficam acima dos níveis de água dos reservatórios e da decomposição de matéria orgânica presente nas áreas que foram exploradas, nessa ordem.

Entretanto, as demais fontes de energia acima citadas constituem alternativas viáveis para atrelar a produção pecuária sustentável à geração de energia renovável e limpa e a energia solar se mostra altamente viável, visto que sol é o que não falta por aqui!

Uso de energia solar fotovoltaica na atividade pecuária

 Em linhas gerais, o uso de energia elétrica nas propriedades rurais pode se tornar oneroso para os produtores, principalmente para os que fazem o uso de pivôs de irrigação, onde, dependendo do tamanho e das operações rotineiras da fazenda, a despesa pode chegar a centenas de milhares de reais mensais.

 De acordo com o presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o setor agropecuário possui um grande potencial de aproveitar a mesma área produtiva da propriedade para instalação de um sistema solar fotovoltaico, visto que qualquer espaço vazio pode virar uma usina de geração de energia solar.

Nesse contexto, a energia solar fotovoltaica se tornou uma grande aliada dos produtores rurais, devido ao baixo custo, em comparação com outros geradores tradicionais, transformando-se em uma alternativa atrativa, com baixa manutenção, rápido retorno e vida útil de, em média, 25 anos.

Na prática, como a captação de energia solar acontece?

 Basicamente, a energia solar fotovoltaica é captada por meio de um painel solar que usa fótons para separar os elétrons dos átomos. Os fótons são partículas de luz e esse processo de separação é que cria a eletricidade.

Os painéis contêm células fotovoltaicas que captam a luz e a convertem em eletricidade, e é aí que entram os inversores que convertem essa energia gerada pelas células em energia utilizável.

Relacionamos algumas aplicações onde a energia renovável pode substituir com vantagens a energia elétrica, ilustrando a geração de valor da adoção de energia limpa.

A energia gerada pelos painéis solares da fazenda pode ser utilizada:

  • Como substituição no uso residencial de energia elétrica na sede, galpões, moradia de funcionários etc.;
  • Funcionamento de bombas d’água para abastecimento residencial;
  • Em sistemas de irrigação e bebedouros dos animais;
  • Alimentação de cercas elétricas e demais maquinários que utilizam energia elétrica para funcionamento.

O uso de energia solar nas propriedades rurais vale a pena?

Ainda que o investimento inicial seja significativo, vale sim!

As análises da ABSOLAR – Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, com base em dados oficiais dos órgãos de governo, apontam que “para cada R$ 1 investido em sistemas fotovoltaicos de pequeno e médio portes usados para abastecer residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos, o setor devolve mais de R$ 3 em ganhos elétricos, econômicos, sociais e ambientais aos brasileiros”.

Os maiores custos normalmente ocorrem na instalação inicial e algumas manutenções das instalações durante o uso, entretanto, no caso do produtor rural, é possível financiar o sistema com prazos longos e linhas de financiamento estão disponíveis para produtores de todos os portes, para a compra e instalação de sistemas fotovoltaicos, em todas as regiões do Brasil.

A adoção desse tipo de fonte de energia pode gerar uma economia de até 95% do faturamento gasto com energias elétricas geradas de formas convencionais. Além disso, também há economia com a isenção nos reajustes de energia por meio da inflação e por meio de taxas conhecidas como bandeira amarela e vermelha, que, nos períodos de estiagem, costumam subir gradativamente de preços.

Há também a isenção pelo apoio fiscal que, em alguns munícipios, reduz o valor do IPTU dos imóveis em função da implantação desse sistema.

Energia limpa, econômica e sustentável a favor do agronegócio brasileiro

Algumas propriedades rurais espalhadas pelo Brasil já se beneficiam com a energia solar fotovoltaica.

A adoção de medidas mais sustentáveis e econômicas faz toda diferença no bolso do empreendedor rural, visto que a propriedade que possui sistema de energia solar tem uma importante fonte de economia com a redução ou até mesmo eliminação da conta de luz.

Abraçar novas tecnologias que contribuem para o aumento da produtividade, com foco em sustentabilidade, além de aumentar a competitividade do produto, em função da redução de custos, contribui fortemente para a melhoria da imagem da atividade pecuária no Brasil e nos demais mercados, visto que a produção sustentável é cada vez mais exigida pelos mercados consumidores.