Qual vinho ideal para acompanhar sua carne no churrasco?

Compartilhe

Share

Comparta

Embora a cerveja seja a preferência nacional para os churrascos, degustar uma boa taça de vinho é uma experiência única. O vinho pode ser um grande aliado na hora de saborear uma carne deliciosa e saborosa. Quando há uma harmonização de vinhos com alimentos adequados, esse momento pode ser ainda melhor.

Para fazer a harmonização, porém, é preciso seguir alguns cuidados, especialmente quando o alimento em questão é uma carne, ingrediente que costuma ter sabores dominantes. Descubra quais cortes de carnes harmonizam com os vinhos. Confira:

Filé
O Filé mignon é uma carne nobre, com baixa porcentagem de gordura, que possui uma textura macia e suculenta. Normalmente, é consumido em filé, medalhão ou picado.
Os vinhos de uva Grenache conseguem ser tão suculentos quanto o filé e, por isso, são harmonizações naturais com esse corte. O Pinot Noir, especialmente em rótulos mais densos, também traz um resultado agradável.

Contrafilé
O Contrafilé brasileiro é cortado a partir da ponta do contrafilé. É uma carne muito consumida em bifes, e costuma ter a textura suculenta e fibrosa, além de uma quantidade de gordura considerável.
Com essas características, não é de se estranhar que a sugestão seja um vinho tinto encorpado. Também vale a pena evitar os rótulos com alta acidez. Uma opção perfeita de harmonização com o contrafilé é o Malbec.

Picanha
A carne rainha do churrasco é conhecida por sua camada grossa de gordura, que rende uma textura macia, suculenta e bastante sabor no paladar. Para essa harmonização, o indicado é um rótulo com acidez mais elevada, como o Cabernet.

Costela
Um ponto importante da harmonização de vinhos com carnes é saber se a receita leva algum tipo de molho. Em alguns cortes, como a costela, isso faz uma diferença significativa no resultado final.
A costela é uma carne gordurosa e macia, que cai bem com os vinhos tintos Cabernet.

Alcatra
A alcatra é um corte macio, que conta com uma quantidade de gordura maior do que o filé mignon. Quase sempre é consumida em bifes, mas também é uma opção para consumir refogada ou picadinha.
Já que essa carne não é magra, o ideal é encontrar um vinho que compense essa característica com uma acidez adequada. Uma boa ideia de harmonização é o Carménère, especialmente quando a alcatra é preparada com ervas que valorizam essa bebida.

Cordeiro
O cordeiro e outras carnes de caça sofrem com o seu sabor forte, que tende a anular as notas de vinhos mais leves. Por isso, se desejar apreciar um prato com esse ingrediente, procure rótulos de tintos encorpados, como o Cabernet Sauvignon.

* Texto inspirado em artigo da Wine.
** A venda de bebidas alcoólicas é proibida para menores de 18 anos.

Comentários